Artigos e Notícias

CRIPTOMOEDAS

Você, no mínimo, já ouviu sobre o assunto. Muitos de nós já investiram. E alguns, até mesmo, enriqueceram com esses “ativos misteriosos” e estritamente fiduciários.

Sim, eis o segredo das #criptomoedas: a “fidúcia”, uma palavra derivada do latim que significa precisamente CONFIANÇA. Vamos entender um pouco mais sobre isso?

  1. BLOCKCHAIN

As criptomoedas sustentam-se sobre a tecnologia chamada “blockchain”: uma “cadeia de blocos (lógicos)” que carregam pequenas quantidades de informações criptografadas (como dados de transações financeiras ou contratos) CONCATENADOS aos demais blocos através de um sistema autoverificável de autenticação – um bloco carrega, consigo, dados do bloco anterior e assim por diante, impedindo que alguma informação seja alterada maliciosamente.

Dessa forma, o blockchain é um sistema de autenticação descentralizado, aberto e incorruptível – graças ao seu sistema criptográfico distribuído e concatenado. Portanto você pode, realmente, confiar no blockchain mais que em cartórios ou agentes financeiros!

  1. CRIPTOMOEDAS

Estritamente no que tange a moedas, como a #Bitcoin (BTC), Ether (ETH) ou Binance Coin (BNB), o blockchain funciona como um livro-razão virtual, onde todas as transações financeiras são devidamente registradas. De formas que uma transação financeira, realizada em determinada criptomoeda (em seu blockchain) é sempre concretizada e pode ser imediatamente verificada pelas partes envolvidas. Criptomoedas são, pois, convenientes, confiáveis e seguras (não podem sequer ser falsificadas ou furtadas).

…2022 chegando e
ainda não ouvimos o termo “Pós-Covid”

Escrevemos esse artigo originalmente em 2020 – quando a Covid ainda se apresentava como uma assustadora “novidade”. Atualmente (estamos no final de outubro de 2021) e a Covid continua em alta… a despeito mesmo de uma acentuada queda dos casos de mortes causadas pela doença – mas, afinal, quem pode contra a imprensa, hmm?

Contudo, algo se confirmou: os mercados continuam “estavelmente instáveis”: as criptomoedas sobem e descem como sempre, as ações sobem e descem como sempre, os títulos de renda fixa.

  1. TOKENS

Atualmente existem alguns blockchains, sendo os mais famosos o da Bitcoin, o Ethereum e o recente Binance Chain (desenvolvido pela Binance). Todos muitíssimos eficientes.

Diferentemente da Bitcoin, que transita absoluta em seu próprio blockchain, o Ethereum e o Binance Chain permitem o desenvolvimento de “tokens” em suas redes, no chamado ERC-20 (Ethereum Request for Comments 20) e BEP-20, respectivamente.

Assim, temos hoje uma miríade de tokens (moedas que compartilham os blockchains citados) trafegando nesses espaços seguros e conquistando seu lugar junto a um público crescente de entusiastas e especuladores – cada um com sua proposta (white paper) e suas peculiaridades.

  1. EXCHANGES

As exchanges – como a Coinbase, LocalBitcoins, Binance, Pancake e Uniswap – são o correspondente “cripto” das bolsas de valores: nelas, é possível efetuar operações de câmbio entre quase qualquer par de moedas virtuais e, eventualmente, também de moedas nacionais. Nessas bolsas, principalmente nas descentralizadas Pancake e Uniswap – onde as moedas mais novas circulam – alguns membros tem obtido #retorno superior a 1000% a.m. sobre seu #investimento.

Team/Equipe Questor

A Equipe Questor é formada por um time multidisciplinar de profissionais das áreas técnica, administrativa, comercial e editorial – com conteúdos assinados pelos melhores economistas, cenaristas e traders do mercado internacional, abordando assuntos relacionados a finanças, investimentos, comportamento e às soluções desenvolvidas pela Questor e seus parceiros.

Leia também
IPCA de setembro é destaque na semana que vem
Na próxima quarta-feira será divulgado o Índice de Preços ao Consumidor (IPCA) de setembro, que na medição anterior apresentou crescimento de 0,23% MoM (4,61% YoY). Devemos observar leve aceleração quanto aos dados de agosto, sobretudo após os anúncios de aumento de combustíveis, afetando toda a cadeia de logística nacional, de forma que o aumento de…
Agenda brasileira esvaziada traz destaque para cenário internacional na próxima semana
Passado comunicado e ata do COPOM, que confirmou redução de 50 pontos base da taxa SELIC, que, hoje, este em 12,75%, a agenda econômica para a próxima semana, ao menos em termos de indicadores, não deve apresentar muitas novidades, ao menos não no cenário doméstico. No entanto, acredito que seja uma oportunidade para observar o…
Mercado antevê encerramento da flexibilização monetária antes do previsto
Nesta semana o COPOM anunciou queda de 50 pontos base, trazendo a taxa SELIC de 13,25% a.a. para 12,75% a.a. Essa queda da taxa de juros possibilita, sobretudo para 2024 e 2025, que a atividade econômica apresente crescimento. Isso ocorre por conta de maior facilidade de acesso a crédito com juros menores. Desta forma, pessoas…