Artigos e Notícias

O QUE É PIRÂMIDE?

Pirâmides Financeiras, Esquemas Ponzi, correntes… o que, afinal, determina a inconsistência operacional e a ilegalidade desses “scams”?

Vamos abordar esse assunto detidamente neste artigo – do ponto de vista psicológico, mercadológico, administrativo, econômico, jurídico e tecnológico. Temos certeza de que, ao término desta leitura, não lhe restará dúvida alguma acerca do tema. Se restar, deixe seu comentário!

Conceito e História

Se você não passou os últimos 150 anos recolhido a uma caverna nos Himalaias, com certeza já ouviu falar das “pirâmides financeiras” e talvez tenha até mesmo sido vítima de um esquema desse tipo. Até porque, pelo menos uma vez, a cada dois ou três anos, algo semelhante toma tamanho vulto na sociedade que a grande imprensa torna impossível não tomarmos ciência do evento e das centenas de pessoas que, mais uma vez, aplicaram (e perderam) suas economias para uma nova variação do golpe.

Mas, afinal, que golpe é esse?

O “modelo de negócios” das Pirâmides Financeiras e dos Esquemas Ponzi se caracteriza pelo pagamento de retornos aos seus investidores exclusiva ou majoritariamente às custas das aplicações de novos investidores. Uma sutil diferença entre os Esquemas Ponzi e as Pirâmides Financeiras reside no fato de que essas últimas se sustentam ostensivamente no Marketing de Rede (uma variação legítima do marketing direto em que um representante tem o direito de convidar novos representantes e participar de seus rendimentos).

Note que, mui amiúde, os autores de sistemas de investimento que culminam em um esquema do tipo Ponzi não são sequer golpistas recorrentes e, a princípio, se propõem a desenvolver bona fide um empreendimento legítimo – muito provavelmente ignorantes das armadilhas subjacentes às finanças e à Economia.

Esse provavelmente foi o caso do italiano Charles Ponzi (1882-1949) que, apesar de não ter sido sequer o verdadeiro autor dos esquemas que hoje carregam seu nome – que datam de meados do século XIX -, conseguiu movimentar o correspondente a mais de um milhão de dólares por dia em um processo (até certo ponto factível) de troca de vales postais. O esquema Ponzi original faliu, consumiu centenas de milhares de dólares e condenou seu autor à prisão perpétua. Contudo, libertado sob fiança, Charles Ponzi, bastante empobrecido e doente, veio a falecer no Rio de Janeiro na década de 1940 – uma história que vale a pena conhecer!

O que é e o que não é…

Embora existam “empresários de boa fé” nesse ramo, a grande maioiria dos dealers do mercado de pirâmides financeiras é, sim, formada por golpistas recorrentes: os “piramideiros”.

Os piramideiros já sabem que uma parcela significativa do seu público alvo tende a ceder aos seus argumentos (e insistentes apelos de marketing) e, além de aplicarem seus recursos na pirâmide, promoverão o investimento como uma forma de potencializarem seus ganhos: o modelo clássico do golpe!

Pirâmides Financeiras,
Esquemas Ponzi…
o que são?

O “modelo de negócios” das Pirâmides Financeiras e dos Esquemas Ponzi se caracteriza pelo pagamento de retornos aos seus investidores exclusiva ou majoritariamente às custas das aplicações de novos investidores. Uma sutil diferença entre os Esquemas Ponzi e as Pirâmides Financeiras reside no fato de que essas últimas se sustentam ostensivamente no Marketing de Rede.

Por que pirâmides são atraentes?

Segundo o analista de cenários sociais Jack Feliciano, do ponto de vista psicológico, o que ainda leva as vítimas a cederem às pirâmides são os mesmos motivos que as levariam a cair em qualquer golpe surrado praticado no mercado desde o início do século: “hoje, utilizando-se do previsível hedonismo inerente ao ser humano, os piramideiros ofertam ao seu público um pacote de vantagens irresistível: alta rentabilidade (no mínimo 10% ao mês), baixo (ou nenhum) risco e atividade operacional leve e de fácil consecução. Adicione-se ao pacote, ainda, uma empresa vistosa e a usual figura do “empresário ostentador” – algo que tende a encher os olhos do nicho mais comumente atacado pelos piramideiros: o público de baixa renda e os novos ricos. É como o golpe do bilhete premiado… o investimento é baixo para um ganho potencial alto – exatamente como nos experimentos originais dos psicólogos Kahneman e Tversky.”

E a tecnologia?

Com a democratização dos computadores, das linguagens de programação e o acesso universal à Internet, um novo cenário se estabeleceu. Segundo Jack Feliciano, “a partir da década de 1990, três fatores viriam a impactar esse mercado (a) cada vez mais o Marketing de Rede evidenciaria sua legitimidade, (b) as plataformas de trade se estabeleceriam (permitindo a qualquer pessoa transformar-se em um trader) e (c) as criptomoedas trariam novas alternativas de investimento (com ganhos significativos e acessíveis a todos)”.

Nesse novo cenário, o discernimento do público passa a ser soberano. É possível obter muito mais de 100% de rentabilidade em um único mês com criptoativos obscuros tanto quanto é muito razoável que pessoas com pouca escolaridade alcancem 1% a 5% ao dia com daytrading. Já não basta mais julgar o aquilo que está “bom demais para ser verdade”, eventualmente realmente é!

Team/Equipe Questor

A Equipe Questor é formada por um time multidisciplinar de profissionais das áreas técnica, administrativa, comercial e editorial – com conteúdos assinados pelos melhores economistas, cenaristas e traders do mercado internacional, abordando assuntos relacionados a finanças, investimentos, comportamento e às soluções desenvolvidas pela Questor e seus parceiros.

Leia também
IPCA de setembro é destaque na semana que vem
Na próxima quarta-feira será divulgado o Índice de Preços ao Consumidor (IPCA) de setembro, que na medição anterior apresentou crescimento de 0,23% MoM (4,61% YoY). Devemos observar leve aceleração quanto aos dados de agosto, sobretudo após os anúncios de aumento de combustíveis, afetando toda a cadeia de logística nacional, de forma que o aumento de…
Agenda brasileira esvaziada traz destaque para cenário internacional na próxima semana
Passado comunicado e ata do COPOM, que confirmou redução de 50 pontos base da taxa SELIC, que, hoje, este em 12,75%, a agenda econômica para a próxima semana, ao menos em termos de indicadores, não deve apresentar muitas novidades, ao menos não no cenário doméstico. No entanto, acredito que seja uma oportunidade para observar o…
Mercado antevê encerramento da flexibilização monetária antes do previsto
Nesta semana o COPOM anunciou queda de 50 pontos base, trazendo a taxa SELIC de 13,25% a.a. para 12,75% a.a. Essa queda da taxa de juros possibilita, sobretudo para 2024 e 2025, que a atividade econômica apresente crescimento. Isso ocorre por conta de maior facilidade de acesso a crédito com juros menores. Desta forma, pessoas…