Artigos e Notícias

Prévia do IPCA indica aceleração inflacionária nos próximos meses

Foi divulgado hoje o IPCA-15, que nada mais é do que uma divulgação preliminar da inflação ao consumidor. Com período de coleta entre o dia 15 do mês anterior e o memo dia do mês corrente, o índice é um bom termômetro para o mercado saber as perspectivas de divulgação do IPCA. A leitura da prévia inflacionária trouxe aceleração, sobretudo no que diz respeito aos preços administrados.

Preços administrados são aqueles em que são regulados pelo governo, através de agências reguladoras. No resultado que foi divulgado hoje, o grande destaque está no impacto da energia elétrica, sobretudo por conta do fim da incorporação do Bônus de Itaipu, que foi creditado nas faturas do mês anterior. No entanto, vale destacar que os aumentos de combustíveis anunciados pela Petrobrás não entram nesta conta, pois começaram a valer após o período de coleta do IPCA-15, devendo impactar, sobretudo, o resultado do IPCA fechado de agosto e setembro. Por esta razão, devemos esperar aceleração inflacionária nas próximas medições, sobretudo por conta do aumento de diesel e gasolina. Vale ressaltar que o principal grupo, Alimentos e bebidas, do IPCA-15 continua apresentando movimento deflacionário, quando os preços apresentam queda. Esta movimentação deve continuar nas próximas medições, porém não deve ser suficiente para impedir a aceleração inflacionária.

Agora, essa aceleração da inflação impede a continuação do processo de flexibilização monetária que o Banco Central iniciou no último COPOM? Provavelmente não, pois o Banco Central não está observando a inflação de curto prazo, mas sim a de longo prazo. A instituição observa as expectativas do chamado “horizonte relevante”, que é o período que será afetado pela decisão de política monetária tomada este ano. Levando em consideração a defasagem de impacto da política monetária de seis (6) a nove (9) meses, a preocupação está centrada na inflação de 2024 e, cada vez mais se aproximando de observar as expectativas de preços para 2025.

Leia também
IPCA de setembro é destaque na semana que vem
Na próxima quarta-feira será divulgado o Índice de Preços ao Consumidor (IPCA) de setembro, que na medição anterior apresentou crescimento de 0,23% MoM (4,61% YoY). Devemos observar leve aceleração quanto aos dados de agosto, sobretudo após os anúncios de aumento de combustíveis, afetando toda a cadeia de logística nacional, de forma que o aumento de…
Agenda brasileira esvaziada traz destaque para cenário internacional na próxima semana
Passado comunicado e ata do COPOM, que confirmou redução de 50 pontos base da taxa SELIC, que, hoje, este em 12,75%, a agenda econômica para a próxima semana, ao menos em termos de indicadores, não deve apresentar muitas novidades, ao menos não no cenário doméstico. No entanto, acredito que seja uma oportunidade para observar o…
Mercado antevê encerramento da flexibilização monetária antes do previsto
Nesta semana o COPOM anunciou queda de 50 pontos base, trazendo a taxa SELIC de 13,25% a.a. para 12,75% a.a. Essa queda da taxa de juros possibilita, sobretudo para 2024 e 2025, que a atividade econômica apresente crescimento. Isso ocorre por conta de maior facilidade de acesso a crédito com juros menores. Desta forma, pessoas…